...

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Sábado em Pituaçu.

O que acontece quando alguém, sedentária como eu, propõe uma maratona de bicicleta de 14 km? A resposta é óbvia, mas eu direi, do mesmo jeito: não deu certo.

A surpresa, na verdade, é que o que deu errado não foi o esforço do exercício. Foi o exercício por completo.

Lá fomos nós (Eu, David e Márcio) para o parque Pituaçu. Márcio tinha levado a bike dele. Eu e David tivemos que alugar as bicicletas por lá.

A minha inteligência soberba me fez escolher uma bicicleta do meu tamanho (pequena é claro, me refiro à altura :P). Ótimo. Uma maravilha.

Márcio seguia na ponta, David no meio e eu na lanterna, exatamente como na imagem. Ocorre que, por mais que a bicicleta fosse anatomicamente justa para as minhas curtas pernas, não era para o meu avantajado glúteo.

A mini-bicicleta tinha um selin mínimo e mal cabia uma banda das minhas nádegas. De 2 em 2m eu parava para alongar o glúteo.

Cansados de parar todo momento, os meninos tiveram a brilhante idéia de trocar a bicicleta de David comigo. Coitado dele, ia pedalar 14 km praticamente em pé, pois ele dava dois na minha bicicleta.

Só que não havia santo que abaixasse o selin da bicileta de David, para formatar-se ao meu tamanho. Tudo bem. Ande do mesmo jeito.

Mais alguns metros e eu já não agüentava. Eu pedalava com as pontas dos dedos do pé. Estava claro que aquela empreitada não daria certo.

Márcio, então, teve a brilhante idéia de oferecer a sua bicicleta.

“Por que não? Vamos tentar”.

Deu certíssimo! Estava beleza para mim. Finalmente iríamos conseguir pedalar...

David não reclamava da mini-bicicleta ganhada de mim, Márcio achou porreta a bicleta de David e eu finalmente não tinha nem as pernas nem as nádegas agredidas por uma bicicleta.

Lá lá lá... Pow!

O pneu da bicicleta de Márcio furou!

Resumo da ópera: voltamos. Estávamos apenas no Km 4,5.

A volta foi mais dura para os meninos que voltaram empurrando as bicicletas. E eu acompanhava bem lenta na outra...

Saldo? Negativíssimo: uma dor na bunda, nas costas, no âmago do meu ser.
Mas, vocês pensam que eu desisto?

“Se a Safra não atrapalhar meus planos...”
Fim de semana que vem, eu tento de novo.


P.S.1: Márcio, acabou o pneu, ou só a câmara de ar? Já falei que ressarcirei os danos.

P.S.2: David, eu te amo!

5 comentários:

Inho disse...

Só com Tarcila essas coisas são mais engraçadas.

Beijinhos!

RAMON(ES) disse...

É, não era o seu dia de sorte.
Mas pelo jeito vc é brasileira mesmo, não desiste nunca.
Mais sorte da próxima vez.
eheheheheh

TEUNATTY disse...

huahauhauahuahua
kiii oOoOnda
tô aki só imaginando a cena... bucolismo total em meio aquela mata exuberante...hehehehehe
rapaix...tu eh corajosa viu... e coitado dos meninos! eu acho que eles não vão querer replay não! hehehehehehe
tu tem que escrever um livro sobre essas aventuras
bjOoOoOooOoOooOoooOO

Marcio Melo disse...

A camera de ar é baratinha, se stresse nao. Vou fazer uma troca de órgãos, quer dizer pneus, com minha outra bike.

Só no proximo fds eu vejo o que faço com o pneu estourado.

Da proxima vez vou deixar vcs comendo poeira, te espero no final na água de côco hahahaha

Anônimo disse...

Migaaaaaaaaaaaaaaaaaaa,

adorei seu novo espaço e tb sua aventura.
Xodadonas de tú!

Bjux!
=********